Nome científico:

Talpa occidentalis (Cabrera, 1907)

Nome comum:
Toupeira
Família:
Talpidae

 

 

A toupeira possui características anatómicas adaptadas aos seus hábitos fossorícolas, como corpo fusiforme, olhos cobertos por pele, ausência de orelhas e patas anteriores possantes munidas de garras que permitem escavar as galerias. Esta espécie apresenta um focinho longo, nu e flexível e uma coloração preta e aveludada.

É um insetívoro de dimensões médias, sendo que o comprimento do corpo oscila entre 90 e 130 mm, podendo pesar entre 30 e 70g.

 

Habitat/Ecologia

Ocupa numa grande diversidade de habitats como zonas agrícolas, pastagens, prados, carvalhais, montados e pinhais. Evitam zonas rochosas e de solos muito arenosos, difíceis de escavar ou pouco consistentes para manter as galerias e tocas subterrâneas.

As toupeiras alimentam-se essencialmente de insetos (particularmente em estados larvares), minhocas e outros invertebrados do solo. Ocasionalmente pode incluir na sua dieta pequenos vertebrados, como crias de roedores e pequenos anfíbios.

 

Período mais favorável à observação

Devido aos seus hábitos fossorícolas, é uma espécie difícil de ser observada diretamente. No entanto, os seus indícios podem ser detetados ao longo de todo o ano.

 

Curiosidades

A sua presença deteta-se com facilidade através dos seus indícios, nomeadamente através das galerias e dos “montes de toupeiras” ou montículos, consequência das suas atividades subterrâneas. Os montículos podem ser confundidos com os do rato-cego-mediterrânico.

Como outras espécies de insetívoros, apresentam pelos sensitivos na extremidade do focinho comprido designados de vibrissas, que a toupeira utiliza para se orientar nos túneis.

 

Distribuição

Endemismo ibérico, a toupeira apenas ocorre em Portugal e Espanha. Em Portugal distribui-se por todo o território continental.