Nome científico:

Lissotriton boscai (Lataste,1879)

Nome comum:
Tritão castanho de ventre laranja
Família:
Salamandridae

 

 

Este pequeno tritão pode atingir um comprimento total de 6 a 9 cm.  O nome comum advém do ventre deste tritão mostrar uma coloração tipicamente laranja, sarapintada lateralmente com pontos escuros. Em contraste, o dorso apresenta uma tonalidade castanha, verde-olivácea ou amarelada. Há dimorfismo sexual, tendo as fêmeas um tamanho relativamente maior do que os machos. Estes últimos, durante o período de reprodução, mostram uma banda longitudinal branca que se estende por toda a cauda, sendo contudo mais evidente a sua presença na parte terminal da cauda. Ademais os machos tendem a exibir um corpo mais delgado do que as fêmeas.

 

Habitat e Ecologia

É um anfíbio de hábitos marcadamente aquáticos, frequentando as águas de fontes, tanques, charcos, açudes e de regatos onde surjam pequenos pegos e alguma vegetação aquática. Todavia este tritão pode ser encontrado em terra, resguardado sob as pedras, os troncos de árvores caídos e outros locais húmidos, sobretudo durante a época seca.

 

Período mais favorável à observação

Este tritão é principalmente visível na fase aquática, quando fica  imerso na água dos charcos e pegos, a partir de finais de novembro/dezembro. Na Herdade da Mitra é uma espécie que nem sempre se encontra.

 

Curiosidades

Aquando do acasalamento o macho frequentemente agita o corpo e a cauda dentro de água, parecendo dançar o “flamenco”. Porém, tal exibição apenas é parte da parada nupcial feita para atrair a atenção das fêmeas, enquanto o macho aproveita parar lançar feromonas sexuais na água.

 

Distribuição

É uma espécie endémica da metade ocidental da Península ibérica distribuindo-se por todo o país, mas está ausente das áreas mais abertas do Alentejo.